Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Centurião de Cafarnaum: exemplo de fé e modelo de amor

Centurião de Cafarnaum: exemplo de fé e modelo de amor
E, depois de concluir todos esses discursos perante o povo, entrou em Cafarnaum.
E o servo de um certo centurião, a quem muito este muito estimava, estava doente e moribundo.
E, quando ouviu falar de Jesus, enviou-lhe uns anciãos dos judeus, rogando-lhe que viesse curar seu servo.
E, chegando eles junto de Jesus, rogaram-lhe muito, dizendo: É digno que lhe concedas isso.
Porque ama a nossa nação e ele mesmo nos edificou a nossa sinagoga.
E foi Jesus com eles; mas, quando já estava perto da casa, enviou-lhe o centurião uns amigos, dizendo-lhe: Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres debaixo do meu telhado; e, por isso, nem ainda me julguei digno de ir ter contigo; dize, porém, uma palavra, e o meu criado sarará.
Porque também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados sob o meu poder, e digo a este: vai; e ele vai; e a outro: vem; e ele vem; e ao meu servo: faze isto; e ele o faz.
E, ouvindo isso, Jesus maravilhou-se dele e, voltando-se, disse à multidão que o seguia: Digo-vos que nem ainda em Israel tenho achado tanta fé.
E, voltando para casa os que foram enviados, acharam são o servo enfermo.
(Lc 7.1-10)

No relato bíblico acima, vemos a história do Centurião de Cafarnaum. O Senhor Jesus o destacou como exemplo de fé, dizendo "nem ainda em Israel tenho achado tanta fé". Vemos também, um belo modelo de amor nesta passagem, pois este centurião tinha uma sincera afeição pelo seu servo e amava Israel, enquanto que a maior parte dos romanos desprezava.

O centurião era a espinha dorsal do Império Romano, liderando uma tropa de 100 soldados. Era o primeiro degrau de liderança das tropas romanas. Havia também, o oficial da corte, que liderava 600 soldados. E, ainda, o oficial da Legião, que liderava uma tropa com 6.000 homens. Assim, numa legião romana, havia 60 centuriões. Dependendo do caráter que apresentavam, poderiam subir de cargo.

Essa passagem é registrada por Mateus e Lucas. No Evangelho de Mateus, parece que o centurião vai pessoalmente. No Evangelho de Lucas, vimos que são os anciãos que vão a pedido do centurião. Isso pode ser explicado de forma simples. Mateus aborda vários assuntos no Evangelho que escreveu, omitindo fatores secundários. Lucas é mais minucioso, abordando menos assuntos, porém, com uma riqueza de detalhes maior. Mateus emprega a regra: "o que se faz por meio de outro é considerado como se feito por si mesmo". Assim, não há contradição alguma entre os relatos.

  • Modelo de amor

O centurião enviou os anciãos para que rogassem a Jesus que fosse curar seu servo. Os anciãos fazem mais que isso. Eles intercedem muito e ainda declaram que o centurião é digno de receber sua petição. Esses anciãos tipificam a ação do Santo Espírito, que intercede por nós (Rm 8.26), pois nessa hora não sabemos pedir como convém.  Os anciãos atestaram o pedido do Centurião, declarando o amor que ele tinha. Tal ação também é feita pelo Espírito Santo, que Ele encontre esse mesmo modelo de amor em nossos corações.

O modelo de amor do centurião, selado por digno pelos anciãos, é este: 

  1. Ele amava seu servo (a quem este muito estimava)
  2. Ele amava o povo de seu servo (porque ama a nossa nação)
  3. Ele edificou o local de oração do servo (edificou a nossa sinagoga)

Repare bem, querido leitor, que este é o modelo de amor, que recebe o selo de dignidade do Santo Espírito e, ainda, que faz o Senhor Jesus se mover.

O amor pelo servo é demonstrado quando o centurião amou o povo do servo. Amar uma pessoa sem amar o povo dessa pessoa não é um modelo bíblico. Pergunte isso para qualquer mãe: "eu amo a senhora, amo muito, só não amo seus filhos". Ela não vai se sentir amada. De maneira alguma. Se ela for mãe de vários filhos e receber uma declaração de amor assim: "amo a senhora, amo seus filhos, só um que não amo", ainda assim, ela não se sentiria amada por completo. Amar de verdade uma pessoa, implica amar o povo dessa pessoa. O centurião amou o servo e também amou o povo do servo. Que o Espírito no ensine isso.

O centurião amou o servo. Amou o povo do servo. E, para completar o modelo do amor, edificou o local de oração do servo. O local de culto do servo foi beneficiado pela afeição do centurião. Amor que é demonstrado e testemunhado pelos anciãos que declararam "És digno". Querido leitor, sei que você tem causas que tens levado até a presença do Senhor Jesus. São situações, petições ou até mesmo pessoas, que você não quer perder. Assim como o centurião não queria perder o servo dele para a doença, pois o amava, também temos causas, situações ou pessoas que também não queremos perder. Uma mãe não quer perder o filho para o mundo e suas concupiscências, pois é seu filho e ela o ama. Uma esposa não quer perder seu marido, pois é seu, e o ama... Mas, repare que a petição do centurião foi atestada pelos anciãos com o selo "és digno, pois amou o servo, amou o povo do servo e edificou o local de oração do servo". Rogo ao Senhor para que nossas petições também sejam seladas com o modelo de amor do centurião de Cafarnaum. 

Logo que a petição foi selada pelos anciãos o Senhor Jesus se moveu em direção à casa do centurião. Orações seladas pelo Espírito Santo, faz mover o poder da glória do Senhor em direção à causa da petição.


  • Modelo de fé


Quando já estava próximo à casa, o centurião enviou uns amigos até Jesus. Na primeira cena, ele enviou os anciãos. Na segunda, enviou uns amigos. Os anciãos tipificam a ação do Espírito Santo. Os amigos não tipificam outra coisa a não ser a ação dos amigos mesmo. Quem tem o selo do testemunho do Espírito, tem amigos. Lembre-se que os anciãos aumentaram e melhoraram a petição do centurião, ação que o Espírito também nos faz, enquanto que os amigos relataram exatamente a fala do centurião. Amigos são assim, e devem mesmo ser assim, não acrescentam nada do que falamos. O amigo Espírito Santo é assim, melhora nossa oração com gemidos inexprimíveis. Que tenhamos a alegria de termos os dois.

O modelo de fé do centurião é destacado por Jesus quando os amigos trazem a petição. É o momento em que Jesus se maravilhou. Veja:


  1. Não sou digno
  2. Sou homem sujeito à autoridade
  3. Tenho soldados sob meu poder
  4. Basta uma palavra

Os anciãos disseram "ele é digno". Os amigos, porém, disseram "não sou digno". Os anciãos testemunharam a dignidade do centurião. Os amigos reproduziram a fala do centurião. Isso mostra a humildade que ele tinha. Não se considerava digno, embora as pessoas à sua volta o considerasse. Jesus começa a se maravilhar.

O centurião era o menor dos líderes dos oficiais romanos, como mencionamos anteriormente. Havia outros líderes acima dele. Embora líder, era sujeito aos seus superiores. Homem sujeito à autoridade. E o exemplo de fé está sendo atestado pela reação do Senhor.

Exercia sua liderança. Dizia vai, vem e faça e seus soldados atendiam. O seu modelo de liderança é o amor e fé. Líderes cheios de fé e de amor são exemplos.

E, para completar sua declaração de fé, ele disse "basta uma palavra e meu servo sarará". Oh que declaração maravilhosa mesmo. Uma única palavra do Senhor e toda a situação é mudada. O centurião exercia autoridade sobre seus soldados. Mas, somente Jesus tinha autoridade sobre aquela doença. Que possamos ser consolados com essa fé de que basta uma palavra do Senhor e toda situação mudará, porém, sem esquecermos do que ela foi acompanhada. Junto com esta belíssima declaração, o centurião também disse "não sou digno", "sou homem sujeito à autoridade" e "tenho soldados sob o meu poder". Que estejamos atentos a isso. Acreditar que basta uma palavra do Senhor e toda situação terá uma mudança. Isso deve ser acompanhado com uma atitude de humildade, pois não somos dignos, de submissão e, também, por uma boa consciência que estamos fazendo as atribuições que nos foram confiadas. Esse é o modelo de fé. 


Pense nisso...

Na linda história da petição do centurião de Cafarnaum, temos um exemplo de fé e um modelo de amor. O Senhor Jesus atestou a fé daquele oficial dizendo que nem em Israel encontrou tamanha fé. Os anciãos, que tipificaram a ação do Espírito Santo, atestaram o amor do centurião dizendo que ele era digno, pois amou o servo e o povo do servo. Rogo ao Senhor para que esse modelo de fé e de amor sejam encontrados nos dias de hoje.

Amém.


Bispo Erisvaldo Pinheiro Lima
Mensagem ministrada em Agosto de 2017
Comunidade Evangélica Arca da Aliança.

Fontes de pesquisa:

COMENTÁRIO BÍBLICO MOODY. Editado por Charles P Pfeiffer e Everett F Harrison. Editora Batista Regular do Brasil

BÍBLIA REVELADA - Novo Testamento - Ômega. Traduzida, comentada e editada por Aldery N. Rocha

ENCICLOPÉDIA DA VIDA DE JESUS. Louis-Claude Fillion. Editora Central Gospel.

Postagens mais visitadas deste blog

Elias na caverna e as provas do vento, terremoto e fogo.

A ressurreição de Lázaro: o tempo, o silêncio e a pedra

Quem é você na parábola do bom samaritano?